quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Dia das Crianças na AADA

Jovens voluntários levam alegria e presentes a crianças da AADA




A manhã desta terça-feira, 11, na Associação de Apoio ao Deficiente Auditivo (AADA), foi simplesmente inesquecível. Na véspera do Dia das Crianças, um grupo de jovens voluntários de uma escola profissionalizante de São José dos Campos resolveu fazer da data uma oportunidade de se aproximar da comunidade surda, especialmente crianças e jovens da instituição, com a distribuição de presentes, doces, sorrisos e afeto. O evento reuniu aproximadamente 35 atendidos, sem contar amigos e familiares.




A iniciativa foi de Erika de Souza Bueno, coordenadora pedagógica da MicroPRO (localizada próximo à AADA, na Avenida São José, 607). “A AADA desenvolve um trabalho muito sério e importante para a cidade, e eu confio muito no olhar das ONGs para o outro, para a sociedade em geral. Eu queria conscientizar os jovens sobre a importância de ajudar o próximo, tira-los da zona de conforto, foi então que decidimos fazer a doação dos presentes”.




Os brinquedos arrecadados durante uma campanha na escola foram carinhosamente separados em sacolas. Cada uma delas trazia o nome de uma criança ou jovem da AADA.




A entrega dos presentes foi feita durante o Momento LIBRAS - para pais e filhos, cujo conteúdo foi especialmente preparado para o Dia da Criança. “É importante ter eventos assim, as crianças ficam mais motivadas para participar das oficinas”, afirma a mãe Jéssica Silva. Para a mãe Edna Maria, ações voluntárias como a dos alunos da MicroPRO, “ajudam a divulgar o trabalho da AADA e incentivam outras pessoas a se tornarem voluntárias”.




Para os estudantes, a doação dos presentes também foi gratificante. “Foi muito legal ter contato com eles. É importante para que nos tornemos profissionais melhores”, disse a jovem Camily Jesus Baptista, 13 anos. A tentativa de comunicação com as crianças surdas fez despertaram o interessa de Tatiane Alves a aprender mais sobre a língua de sinais. “Já tive contato com pessoas surdas, mas nunca tinha conversado. Quero poder aprender mais”, completou.










Nenhum comentário:

Postar um comentário