segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Dia Azul com surdos e ouvintes!

Nosso Dia Azul foi bem animado este ano! A ideia de fazer novamente a festa na sede da AADA atraiu centenas de pessoas que curtiram as atividades preparadas para comemorar o Dia Nacional do Surdo (26 de setembro) e proporcionar uma maior interação entre surdos e ouvintes, um dos principais objetivos do evento.

Os profissionais e voluntários da AADA preparam muitas atrações para as crianças e suas familias  

O aposentado Marcelo Oliveira não tem nenhum familiar com deficiência auditiva. Mesmo assim, foi com sua esposa e filhas para conhecer mais sobre a comunidade surda joseense e o trabalho que faz a associação. Também não sabe Língua de Sinais Brasileira (LIBRAS), mas estava na plateia da contação de histórias e na apresentação de teatro feitas por profissionais e adolescentes atendidos pela AADA.

“A contação em LIBRAS foi fascinante! Não conheço a língua, mas algumas coisas eu consegui entender pelos gestos. Vim porque considero importante aprender um pouco mais sobre os surdos, saber como conversar com eles, o que sentem... porque também são pessoas como nós”, disse Oliveira. 

O público se diverte durante a contação de histórias em LIBRAS

O público se diverte durante a contação de histórias em LIBRAS
A maioria dos participantes entrevistados salientou a necessidade de que a sociedade se envolva nos processos de aprendizagem e inclusão das pessoas com algum tipo de deficiência. Nesse sentido, Valeria Silva expressou que é essencial o apoio dos cidadãos joseenses à causa, ao prestigiar eventos desse tipo. “A presença dos ouvintes também é muito importante”, disse.

Apresentação de judô



Em cada celebração do Dia Azul os profissionais da AADA oferecem oficinas de LIBRAS para incentivar as pessoas a ter interesse pelo estudo da língua. Ontem não foi exceção. A voluntária Paloma Bueno deu uma apresentação sobre conhecimentos básicos, como cumprimentos, cores, algumas expressões muito usadas pelos surdos, etc. Na opinião da intérprete, “ainda falta que a população participe e interaja mais”.

A voluntaria e intérprete de LIBRAS Paloma Bueno da uma palestra sobre conheciemntos básicos da língua

Participantes do evento


No entanto, enquanto isso vai acontecendo a comunidade surda continua lutando pelo reconhecimento. Para a Silvana Trigo, presidente da AADA, “o mais importante de comemorar o Dia Azul são as conquistas que eles têm. No Brasil, o surdo demorou muito para conseguir que a língua deles fosse reconhecida; demoraram para conseguir a instrução nas escolas que, de fato, ainda não está acontecendo em todas. Hoje a grande batalha é a escola bilíngue, o que eles querem é isso. E isso é o que tentamos mostrar aqui hoje, uma forma em que todos podem se comunicar”.

Apresentação de teatro em LIBRAS


Apresentação de teatro em LIBRAS


LIBRAS Tátil
Além de surdos e ouvintes, ontem também estiveram presentes pessoas com outros tipos de deficiência, como a audiovisual.  A fonoaudióloga e coordenadora de Projetos da AADA, Érika Campos, desenvolveu uma oficina de LIBRAS tátial com Débora e Iasmyn, duas jovens com deficiência visual.

Erika explicou que “trata-se de uma técnica usada para a comunicação com pessoas com surdo-cegueira, em que a LIBRAS é utilizada através do tato. Neste caso, as meninas são somente deficientes visuais, mas esta técnica também é utilizada para ensinar a LIBRAS. Se elas forem se comunicar com surdos teriam que aprender pelo tato e tatear as mãos dos surdos para conseguir ‘ver’ a LIBRAS”.

Oficina de LIBRAS Tátil

Muita comunicação, oficinas, serviços de saúde e beleza, brincadeiras, esporte, dança... foram algumas das atrações do Dia Azul em São José. Você perdeu este ano a festa? Não tem problema, participe dos próximos, vai ter muito aprendizagem também. Fique por dentro do trabalho da associação a traves de nosso site , fanpage e blog.

Quer ser um voluntário? Junte-se a nós e saiba como ajudar a comunidade surda joseense! 


Um comentário:

  1. execelente articulo , muy bonito evento , muy bien estructurado y deja espacio para que esta discapacidad tenga una relevante presencia social. felicidades a los organizadores , a los participantes y por el reporte .

    ResponderExcluir